Geek

História de superação no mundo dos games

Gamer conta sua história após sofrer AVC aos 19 anos durante uma partida de jogo online

Vamos ser sinceros, quem ama jogos onlines, sabe que eles duram horas e que exigem muita atenção dos jogadores durante a partida. Em 2016, o jogador Guilherme Nogueira, deixou passar suas dores de cabeça em uma partida, pensando ser só a tensão do jogo. Ao terminar o jogo, a dor ficou muito mais intensa, tendo que ir ao hospital, recebendo o diagnóstico de um AVC, aos 19 anos.

O AVC (Acidente Vascular Cerebral), pode levar à morte se não cuidado, também conhecido por derrame, ele é causado pela falta de sangue em alguma área do cérebro, sendo uma das principais causas de morte e a principal causa de incapacidade no mundo. Segundo a World Stroke Organization, uma em cada quatro pessoas terá um AVC ao longo do dia.

Após três anos, Guilherme se recupera positivamente das sequelas. O jogador é conhecido pelos fãs de games como Phoenix BR e têm usado seu canal no Youtube para alertar e divulgar sobre a doença e a importância do cuidado. “Meu objetivo é chamar atenção das pessoas sobre a importância do rápido atendimento em casos de AVC. Se eu estou aqui para contar essa história foi por causa do rápido reconhecimento dos sintomas e da agilidade da equipe que me recebeu no hospital”, explica. 

O jogador fez parte da campanha “A Vida Conta”, e gravou um vídeo relatando a sua história, que está disponível em suas redes sociais e nos canais da Rede Brasil AVC, ONG formada por profissionais de diversas áreas, que lutam para melhorar a prevenção ao AVC.

A neurologista e presidente da Rede Brasil AVC, Dra. Sheila Martins, explica que “apesar do AVC não ser tão prevalente entre as pessoas mais jovens, as sequelas podem ser igualmente impactantes se o atendimento não for feito rapidamente. A cada minuto sem tratamento, 1,9 milhão de neurônios são perdidos “.

Nós amamos os games, a amamos jogar, mas é muito importante ter cuidado e prestar atenção sobre quaisquer sintomas para evitar doenças e sequelas no futuro.

Botão Voltar ao topo